Quarteto feminino bate recorde mundial de natação master

O quarteto Flávia Turini (30 anos), Jovana Nakagaki (28 anos), Ana Carolina Morelli (31 anos) e Mariana Nakagaki (33 anos) bateu o recorde mundial de natação master na prova do revezamento feminino 4×200 estilo livre, categoria 120+ (referente a soma de todas as idades dos integrantes da equipe), nesta sexta-feira (3).

As atletas finalizaram a prova em 8min42s32. A conquista veio durante a realização do XII Campeonato Sul-Americano Master de Piscina Curta (25 metros), na sede do Clube de Regatas Vasco da Gama. O time verde e amarelo baixou em oito segundos a antiga marca, alcançada em 2018 pela Grã-Bretanha (8min50s47).

“Todas estavam nadando bem a competição, então nossa expectativa por um recorde era grande. Mesmo sem ter treinado muito tempo, nossa equipe estava em total sintonia. Então, quando vimos o painel foi uma alegria imensa”, contou Carol Morelli. O Campeonato Sul-americano Master segue sendo disputado até domingo (5) na capital fluminense.

LEIA MAIS

Vôlei sentado: Sesi conquista tetracampeonato brasileiro masculino

O Sesi-SP conquistou nesta sexta-feira (3) o tetracampeonato brasileiro masculino de vôlei sentado ao derrotar o Vasco por três sets a um, com parciais de 25/12, 25/14, 23/25 e 25/10. A competição teve início em 29 de novembro e reuniu 12 equipes no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo.

Os títulos anteriores da equipe de Suzano (SP) vieram em 2017, 2018 e 2019 – por causa da pandemia de coronavírus (covid-19), o Brasileiro não foi realizado em 2020. Os dois primeiros também foram em cima do Cruzmaltino, enquanto o último havia sido sobre o Corinthians/Instituto Ética.

Variando as jogadas, o Sesi não deu chances ao Vasco e abriu dois sets de frente. Na terceira parcial, chegou a ter 19 a 15 no placar, mas o Cruzmaltino conseguiu a virada, fechando em 25 a 23. A reação, porém, parou aí. Na sequência os paulistas repetiram o roteiro do começo do jogo, construindo uma larga vantagem rapidamente, superior a dez pontos, abatendo os cariocas. Uma pancada do levantador Renato Leite, na saída de rede, definiu o set em 25 a 10 e garantiu o tetra ao time comandado por Célio Mediato, técnico da seleção brasileira masculina na Olimpíada de Tóquio (Japão).

Na primeira fase o Sesi venceu os seis jogos que disputou e perdeu apenas um set, na última rodada, na vitória por três a um sobre o Instituto de Promoção do Paradesporto (IPP-PR), de Curitiba. No mata-mata, o time paulista bateu o Instituto Reagir-PR, de Pinhais (PR), nas quartas de final, e o Paulistano/Instituto Ética na semifinal, após uma batalha de cinco sets. O Paulistano, aliás, assegurou o terceiro lugar do Brasileiro ao ganhar do IPP por três sets a zero, também nesta sexta, com parciais de 26/24, 25/23 e 25/19.

Em novembro, o Sesi já havia assegurado o título do Brasileiro feminino de vôlei sentado, realizado em Ourinhos (SP), ao superar a Associação dos Deficientes Físicos de Aparecida de Goiânia (Adap-GO) na decisão.

LEIA MAIS

Pandemia fez crescer cursos de especialização no país, mostra estudo

Durante a pandemia, profissionais optaram por aperfeiçoar conhecimentos por meio de cursos de especialização – é o que mostra o levantamento elaborado pelo Instituto Semesp, entidade que representa as mantenedoras de ensino superior do Brasil. O número de alunos em pós-graduação foi de 1,3 milhão, crescimento de 4,8% em 2021 na comparação com 2019, antes da pandemia.

“Houve um desempenho muito bom, isso porque teve muita gente que ficou desempregada ou teve contrato de trabalho suspenso. Essas pessoas foram buscar uma especialização no formato de aulas remotas, [algo] que combina bem com esse púbico de pessoas mais velhas. É uma forma de aumentar o grau de empregabilidade”, disse o economista Rodrigo Capelato, diretor executivo do Semesp.

Leia também:
» Ensino a distância conquista adeptos e aumenta após fim de restrições

Segundo Capelato, a pós-graduação se reinventou com as aulas remotas. Se por um lado os alunos sentiram falta da convivência com os colegas, por outro ficaram satisfeitos com a falta de necessidade de deslocamento até o local das aulas. “O formato híbrido ficou mais forte, tem maior apelo”, disse.

A graduação, por sua vez, recuou 5% no mesmo período. “A gente teve uma queda na graduação, isso se dá muito porque as aulas deixaram de ser presenciais. Então, houve uma queda importante, que só não foi maior porque a educação à distância continuou crescendo na pandemia. No começo de 2020, antes da pandemia, houve uma entrada boa de ingressantes”, disse.

Entre os alunos de mestrado e doutorado, apesar de ter ocorrido uma redução de 1,7% entre os anos de 2019 e 2020, houve um crescimento considerável de 18,1% em 2021, chegando a 441 mil matrículas.

De acordo com a pesquisa, a predominância é de alunos na cor branca nos cursos de especialização (716 mil alunos), o equivalente a 60% do total. Em 2021, a graduação teve participação de alunos de cor parda e preta de 48,7%, enquanto a pós-graduação lato sensu teve 38% dos estudantes.

LEIA MAIS

Scarlett Johansson abandona filme da Apple TV com Chris Evans

A parceria entre Chris Evans e Scarlett Johansson, que fez sucesso em Vingadores como ‘Capitão América’ e ‘Viúva Negra’, não se repetirá no longa ‘Ghosted’ da Apple TV. A atriz desistiu de participar da produção por conflito de agenda e será substituída por Ana de Armas, que contracenou com Evans no filme ‘Entre Facas e Segredos’. A atriz de 33 anos será a protagonista do filme que, de acordo com a mídia norte-americana, é uma ação/aventura romântica. Ana se tornou uma das queridinhas de Hollywood e, recentemente, estrelou produções como…

LEIA MAIS

Comissão da Câmara faz audiência na quarta sobre piso para enfermagem

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realiza na próxima quarta-feira (8) audiência pública para discutir a criação do piso salarial do enfermeiro, do técnico e do auxiliar de enfermagem. O Plenário do Senado aprovou no último dia 24 o projeto que institui o piso e agora o tema segue para a Câmara dos Deputados. 

O projeto inclui o piso salarial na Lei 7.498, de 1986, que regulamenta o exercício da enfermagem, e estabelece um valor mínimo inicial nacional para enfermeiros no valor de R$ 4.750 tanto na esfera pública como privada. E determina também que os técnicos de enfermagem devem receber, no mínimo, 70% do piso nacional dos enfermeiros, enquanto as parteiras e os auxiliares de enfermagem precisam receber 50% do piso nacional dos enfermeiros.

A Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB), que representa 1.824 instituições de saúde que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS), diz que, caso o piso seja aprovado, os hospitais sem fins lucrativos poderão ir ao colapso por não conseguirem absorver o impacto sobre os custos. 

Segundo a CMB, os pisos trarão um impacto de cerca de R$ 6,2 bilhões anuais nos custos dos hospitais filantrópicos. “A instituição desse piso vai levar ao fechamento de hospitais, ao desemprego e à desestruturação de uma parte importante da assistência à saúde, com reflexos muito negativos ao SUS”, diz o presidente da CMB, Mirocles Véras.

A confederação considera que a criação de um piso único terá um reflexo em pequenas cidades, com médias salariais mais baixas, nas quais a santa casa ou o hospital filantrópico é o único equipamento de saúde. A entidade diz que o valor representa aumentos salariais de  92% no Paraná, de 149% no Mato Grosso do Sul e de 186% na Paraíba para técnicos de enfermagem. 

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) divulgou em seu site que o heroísmo dos profissionais de enfermagem na linha de frente do combate à covid-19 comoveu a sociedade, conquistou apoio popular e levou a categoria à conquista do piso.

Segundo a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), relatora do projeto aprovado, a categoria “tem lutado há décadas pelo reconhecimento de um piso salarial”. Segundo ela, a aprovação da matéria é fruto de resistência e o projeto é uma forma de fazer justiça a enfermeiros, técnicos, auxiliares e parteiras.  

Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse na última semana que irá discutir com os líderes partidários a inclusão da carga horária de 30 horas semanais para os profissionais de enfermagem no projeto que tramitará na Casa.

“Essa categoria contribuiu muito, como todos os profissionais de saúde, para o combate à pandemia. Nós teremos uma audiência pública na próxima semana, inclusive avaliando se não merecia colocar no texto do Senado também as 30 horas. A Câmara tem que fazer gol também, não é só fazer a defesa não”, disse Lira na ocasião. 

Com informações da Agência Câmara e Agência Senado 

LEIA MAIS

Covid-19: estado do Rio está com risco muito baixo pela segunda semana

Pela segunda semana consecutiva, o estado do Rio de Janeiro está em bandeira verde, de risco muito baixo para transmissão da covid-19, revela o Mapa de Risco da Covid-19, cuja 59ª edição foi divulgada hoje (3) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). O levantamento indica queda de 28% no número de óbitos provocados pela doença e de 28% nas internações. A análise compara as semanas epidemiológicas 46 (de 14 de novembro a 20 de novembro) e 44 (de 31 de outubro a 6 de novembro).

De acordo com o Mapa de Risco, as regiões Metropolitana I e Serrana permanecem em bandeira verde, de risco muito baixo. Já a região Noroeste, que estava em bandeira amarela, passou para a verde. As regiões Norte, Baixada Litorânea, Baía da Ilha Grande, Centro-Sul e Metropolitana II estão classificadas como risco baixo, em bandeira amarela. A região Médio Paraíba é a única classificada em bandeira laranja, com risco moderado para covid-19. A alteração nessa região ocorreu devido ao aumento de três óbitos (de 4 para 7) nas semanas analisadas.

Segundo o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, o estado do Rio continua avançando no combate à covid-19, e isso é reflexo das medidas de enfrentamento à pandemia e da campanha de imunização.

“Por outro lado”, observou Chieppe, “estamos diante de uma nova variante circulando no mundo e de um surto de influenza. Por isso, é importante manter os cuidados individuais, como uso de máscara de proteção, lavagem das mãos e álcool em gel”. O secretário acrescentou que também é preciso voltar aos postos para tomar a segunda dose e a dose de reforço da vacina contra a covid-19, assim como a vacina contra influenza.

No Mapa da Secretaria de Estado de Saúde, as bandeiras de cores diferentes representam um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (alto), laranja (moderado), amarela (baixo) e verde (muito baixo). Os resultados apurados para os indicadores apresentados devem auxiliar a tomada de decisão das autoridades, além de informar a necessidade de adoção de medidas restritivas, conforme o nível de risco de cada localidade.

Influenza

Segundo a secretaria, na última semana, aumentou o número de atendimentos por síndrome gripal nas unidades de pronto atendimento estaduais (UPAs), que passaram de 260/dia, em média, no período de 17 a 23 de novembro, para 1.283 atendimentos/dia no período de 24 a 30 de novembro, com crescimento de quase 400%. Por isso, a SES reforçou a importância da imunização contra influenza, especialmente entre os grupos prioritários, que abrangem crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, puérperas (mulheres que deram à luz há menos de 45 dias) e pessoas com comorbidades, comprometimento do sistema imunológico.

Para acelerar o atendimento dos casos de síndrome gripal, a SES iniciou hoje (3) uma nova etapa do plano de contingência para enfrentamento ao surto. As UPAs estaduais vão receber tendas de atendimento a pacientes com síndrome gripal. A primeira unidade a contar com a nova estrutura é a UPA Marechal Hermes, na zona norte do Rio que, além da triagem, conta com dois consultórios médicos para atendimento exclusivo desses casos.

O secretário Alexandre Chieppe informou que, neste sábado (4), começa a funcionar a tenda de atendimento ligada à UPA Tijuca.

LEIA MAIS

Covid-19: Brasil registra 22 milhões de casos e 615,4 mil óbitos

O Ministério da Saúde divulgou hoje (3) novos números sobre a pandemia de covid-19 no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem no acumulado 22,1 milhões casos confirmados da doença e 615,4 mil mortes registradas. Os casos de recuperados somam 21,3 milhões (96,5% dos casos). 

Em 24 horas, o ministério registrou 10.627 novos casos e 221 mortes. 

O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 4,4 milhões de casos e 154,2 mil óbitos. Em seguida estão Minas Gerais (2,2 milhões de casos e 56,3 mil óbitos); Paraná (1,5 milhão casos e 40,8 mil óbitos) e Rio Grande do Sul (1,4 milhão de casos e 36,1 mil óbitos). 

Balanço de casos e óbitos de covid-19 divulgado no dia 03/12/2021
Balanço de casos e óbitos de covid-19 divulgado no dia 03/12/2021

Balanço de casos e óbitos de covid-19 divulgado no dia 03/12/2021 – Divulgação Ministério da Saúde
LEIA MAIS

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídrica

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou qualquer risco de desabastecimento elétrico ou de apagão no país, por conta da crise hídrica dos reservatórios. Segundo o ministro, tirando causas meteorológicas externas, não haverá racionamento por falta de energia.

“Não há hipótese alguma de racionamento ou apagão por falta de energia. Pode ser por conta de um raio, de uma tempestade, mas não por falta de energia. É isto que nós estamos trabalhando, há mais de ano, para garantir aos consumidores brasileiros”, afirmou o ministro, durante a inauguração do novo laboratório do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel) da Eletrobras, em Nova Iguaçu (RJ).

Bento Albuquerque disse que o país atravessa a pior crise hídrica dos últimos 90 anos, com falta de chuvas sobre os principais reservatórios, mas ressaltou que o setor elétrico soube trabalhar para superar o problema: “Não há risco de desabastecimento de energia de forma alguma, mas eu entendo que o uso racional da energia tem que fazer parte da nossa educação e da nossa cultura.”

Usina nuclear

Em entrevista aos jornalistas após a inauguração do laboratório, o ministro também falou sobre a possibilidade de construção de uma quarta usina nuclear no país, que hoje tem Angra 1 e 2 e está em vias de concluir Angra 3.

Ele não definiu onde seria construída a próxima usina, podendo ser na Região Sudeste ou mesmo no Nordeste, mas frisou que ela será de uma nova geração, menor, mais eficiente e mais segura que as atuais.

Segundo Albuquerque, o estudo sobre o assunto deverá estar pronto para ser apresentado no Plano Decenal, no início de 2022.

Carros elétricos

Bento Albuquerque falou também sobre a tendência de eletrificação da frota de veículos, que está sendo acelerada em vários países, principalmente os europeus, pelas montadoras, que pretendem fabricar basicamente carros elétricos entre 2025 e 2030.

Porém, o ministro destacou que países de grandes extensões podem adotar modelos híbridos de motorização. “A eletrificação faz parte da realidade de cada país. Um determinado país pode dizer que terá toda sua frota elétrica. Em um país continental, como Brasil, Índia, China ou Estados Unidos, a eletrificação não ocorre em anos. Ela poderá ocorrer em décadas. O Brasil é privilegiado pela abundância de fontes energéticas renováveis e limpas. Temos o maior programa de bioenergia do mundo, que é baseado em biocombustíveis, e eles serão fundamentais”, disse.

Laboratório

O novo centro de pesquisas do Cepel, chamado Laboratório de Smart Grids, é um dos primeiros do gênero no país e recebeu investimentos da ordem de R$ 20 milhões, provenientes da Eletrobras, Petrobras e do Projeto META (MME e Banco Mundial).

O laboratório, localizado na Unidade Adrianópolis, em Nova Iguaçu, permitirá inúmeras opções de pesquisa e prestação de serviços, trazendo benefícios concretos às empresas do setor de energia e contribuindo para o avanço tecnológico do Brasil, dentro do atual contexto de transição energética. Garantirá experiências práticas, antes realizadas apenas em modelos teóricos, e maior confiabilidade para o sistema elétrico nacional, disse o diretor-geral do Cepel, Amilcar Guerreiro.

“Vai ajudar na avaliação do comportamento dos novos elementos que surgem na rede, em função da geração distribuída, do armazenamento distribuído de energia. Este laboratório vai permitir isso. Tem a capacidade de analisar elementos com uma potência mais alta. Painéis fotovoltaicos, um inversor com potência alta, este laboratório é capaz de fazer o ensaio, de avaliar a performance desses equipamentos”, explicou o diretor do Cepel.

LEIA MAIS

Afegãs precisam consentir com casamento, diz decreto do Taliban

O governo do Afeganistão, controlado pelo Taliban, publicou, nesta sexta-feira (3), decreto sobre os direitos das mulheres que diz que elas não devem ser consideradas “propriedades” e precisam consentir para se casar, mas não menciona o acesso feminino à educação ou ao trabalho fora de casa.

O Taliban, que assumiu o comando do Afeganistão no dia 15 de agosto, está sob pressão da comunidade internacional, que mantém congelada a maioria dos fundos para o Afeganistão, exigindo que o movimento se comprometa a respeitar os direitos das mulheres.

“Uma mulher não é uma propriedade, mas um ser humano nobre e livre; ninguém pode dá-la a ninguém em troca de paz… ou para por fim à animosidade”, diz o decreto do grupo islâmico radical divulgado pelo porta-voz Zabihillah Muhajid. O decreto delineia as regras que determinam o casamento e a propriedade para as mulheres, dizendo que elas não deveriam ser obrigadas a se casar e que viúvas deveriam ter sua parcela da herança do falecido marido.

Tribunais devem levar em conta as regras ao tomar decisões, e os ministérios dos Assuntos Religiosos e da Informação devem proteger estes direitos, diz ainda o decreto, cujo texto não faz menção à possibilidade de as mulheres trabalharem ou terem acesso a instalações fora de casa ou à educação, que são grandes preocupações da comunidade internacional.

LEIA MAIS

Banda Eva anuncia que não irá mais desfilar no Carnaval de 2022

A Banda Eva anunciou nesta sexta-feira, 3, que não irá desfilar no Carnaval de Salvador em 2022. Em um comunicado divulgado nas redes sociais, a banda de axé disse que foi “uma decisão difícil, porém necessária”. “Por não termos mais tempo hábil para a adoção das medidas e procedimentos que garantem a entrega dos melhores serviços e produtos, como fazemos há 40 anos, infelizmente, o Bloco Eva não irá mais desfilar”, informou a banda. Como será o segundo ano seguido que o grupo não se apresentará no Carnaval por conta…

LEIA MAIS